Sugestões giras: Musicando em casa – atividade interativa para crianças dos 2 aos 4 anos

Bom dia famílias

Aqui fica mais uma sugestão gira do projeto Trancadas em casa, com o qual estamos a colaborar. As inscrições são feitas neste link aqui.

Além deste género de iniciativas, o projeto Trancadas em casa pretender ouvir a voz das crianças sobre a forma como estão a viver e crescer confinadas em casa. Vejam aqui as partilhas que estão no site e enviem as vossas experiências.

Abraço da Família

Coronavírus: E contra a pressão, não vai nada, nada, nada?

Olá famílias

É de nós, ou dizer que estamos entre a espada e a parede sabe a pouco? Isto não parece mais uma daquelas cenas estilo Indiana Jones, prestes a ser espremido por uma espécie de pirâmide maldita? Só que não é uma pirâmide, é mais um prisma hexagonal (ah pois é, há tempos não escreveríamos isto, mas agora que as fichas de matemática invadiram a nossa casa, há todo um novo vocabulário constantemente presente).

Ele é uns, de um lado, a dizer que não estamos de férias. Outros, que agora temos o tempo que sempre lamentamos não ter. Uns a pressionar para ficar em casa, por nós, por todos. Outros para sair, porque continuam a trabalhar, a fazer a economia rolar e nós aqui. Kits de quarentena, quadros de rotinas, regras e tarefas, projetos e atividades, ementas, plataformas de trabalho e ensino à distância, não esconder a verdade das crianças, mas procurar não as assustar… Já podemos arrancar cabelos?

E nos entretantos, vamo-nos criticando. Aos que saem, que são sobretudo os mais velhos, apesar de serem também os mais solitários e vulneráveis, com menos alternativas. De uma forma geral, a sociedade pouco se tem importado com eles. Agora, que são até o grupo de maior risco, dizemos que são irresponsáveis e mesmo egoístas. Aos que estão presos em casa, com várias crianças, trabalhos da escola, pendências do emprego, famílias monoparentais, e muitos com medo de ficar sem rendimento, já para não falar de casas em que há agressores. Tratamos todos por igual. Lamechas ingratos, que estão seguros e confortáveis, agarrados ao telemóvel, sem pensar em quem dá o corpo às balas.

Se há uma banda sonora para isto só pode ser:

De que precisamos então? Pois que, surpreendentemente, parece que continuamos a precisar de tempo!!! Tempo para parar, refletir e adaptarmo-nos. Em áreas que não são de emergência (e lamento mas, apesar do que possa parecer, a educação, por exemplo, não está em situação de emergência, pelo menos não ainda ou não mais do que já estava), podemos certamente ir com mais calma.

Fiquemos então, para já, com esta ideia, retirada daqui: “O que nos mantém fisicamente seguros contra o vírus interrompe muitas das conexões humanas de que precisamos para nos sentirmos emocionalmente seguros, lidar com o stress e controlar o medo.

Então, vamos calçar os sapatos uns do outro, compreender, pensar e agir em conjunto? Para ou contra a pressão, vamos todos, com tudo? Vêm connosco? Estamos mesmo aqui

Abraço apertado!

A Família [digital]

A programar (literalmente) as rotinas da família

Olá famílias

Depois das nossas férias, mudamos de casa. E, passado o maior stress, temos imensas ideias para a casa nova. O nosso belo jardim está mesmo a pedir caixas de areia, baloiço e outras coisas giras, daquelas que se vê no Pinterest! Para o interior, estamos a pensar numa cama escavadora (para o Filho), biblioteca e, quem sabe se é desta que organizamos os brinquedos!

Mas, na verdade, o nosso primeiro projeto é algo mais simples (ou não!)… e mete tecnologia. Queremos organizar melhor as nossas manhãs e noites. Ainda antes de mudarmos de casa, combinamos fazer um quadro que a Mãe viu online (sim, foi no Pinterest :D).

https://www.pinterest.pt/pin/656399714422490167/

E de que se lembrou o Pai? Como estamos numa de programação e em falta com a ideia de partilhar aqui no blogue brincadeiras em família com tecnologia, o Pai sugeriu fazermos essa tabela no Scratch. Boa Pai!

Pronto. Ainda antes das construções no jardim ou mesmo de arrumarmos a bagunça que está na garagem, o nosso projeto é este. Vamos contar aqui como está a correr. E prometemos não contar só as partes boas, divertidas e calmas, mas partilhar também os percalços do caminho 😉

Abraço

A Família

Temos sugestões super giras para vocês (inclui cuidados a ter!)

Olá famílias

Cá por casa andamos numa de programação e robótica. A Mãe está a colaborar com um projeto sobre programação e robótica educativa e nós temos servido de cobaias, neste caso num excelente sentido. Por isso, temos sugestões super giras para vocês, com as quais toda a família pode aprender e, para os menos digitais, começar a entrar nisto de forma divertida. Quer queiramos quer não, esta onda chegou e mais vale aprender a surfá-la do que ser apanhado desprevenido 😉 Bora lá?!

Esperamos que tenham respondido sim 😀 Mas, antes de começarmos, queremos sugerir-vos alguns cuidados:

! A internet é um espaço público. O que fazemos na internet nunca é totalmente privado. Pensem nisso para decidir o que fazem online e como.

! Usar a internet pode trazer alguns riscos. Encontram informação útil sobre isso em sites como o Seguranet e o Internet Segura. Pode-se mesmo pedir ajuda através da Linha Internet Segura (800 21 90 90; linhainternetsegura@apav.pt) ou denunciar conteúdos na Linha Alerta.

! Apesar de tudo, por aqui acreditamos que depende de nós pôr o copo meio cheio. Com cuidado, a internet pode ser algo maravilhoso

Agora sim, vamos lá…

Para os principiantes que ainda não aprenderam a ler:

codeweek.it/codyroby


scratchjr.org

Para ‘crianças’ de todas as idades que saibam ler:


runmarco.allcancode.com

Para escolas:


ubbu.io

Divirtam-se!

A FAMÍLIA[digital]

Ele voltouuuuuuu! (Um post sobre aprendizagem)

Pois é, ele voltou! Foi a Filha que, por este dias, o anunciou. E porque é que isso é tão emocionante? A Filha diz que “ele mostra muitas aventuras” que a deixam “ansiosa para ver o que vai acontecer”. O Filho interessa-se pelos “problemas que ele resolve”. Eu, a Mãe, adoro a forma divertida e entusiasmante com que se aventura pelo mundo para nos ensinar coisas interessantes. Com ele já viajamos um pouco por todo o lado, ficamos a conhecer o que é natural e construído, de forma científica e ouvindo muitas palavras novas. Tudo sem esquecer os cintos de segurança e só depois de perguntar à mãe se ‘não se importa que vão’. Afinal, ‘a vida é demasiado importante para ser levada a sério’ e a aprendizagem também. E essa é a sua maior inspiração, desde o primeiro livro. Só se aprende verdadeiramente se estivermos interessados e nos sentirmos livres para descobrir, tentar, errar e voltar a tentar. Isso, para as crianças, pode resumir-se numa palavra: diversão. Uma lição para nós pais e para as nossas escolas? Por aqui achamos que sim. E vocês? Também querem ideias para explorar e aprender sobre o nosso mundo com as crianças? Então perguntem-lhe como se faz. Ele está na RTP2, aos sábados e aos domingos de manhã. Até a Gata parece gostar 🙂 (o que é mais uma pista 😉 ).


(foto tirada enquanto escrevia o post)

E se o virem não se esqueçam de nos contar o que acharam. Estamos em ola@familiadigital.pt e por aí, nas redes sociais.

Abraço
A Mãe

A internet explicada em/aos miúdos

Estão a ver a foto deste artigo? Isso sou eu (a Mãe) a tentar explicar à Filha como funciona a internet (mais especificamente o armazenamento e partilha de dados em nuvem). Aconteceu depois de ela quase ter tido um ataque de pânico por achar que tudo o que tinha guardado nos últimos dias, no computador, tinha sido apagado. E estamos a falar de muitas pesquisas para preparar uma festa de aniversário (tema deste ano: Elena de Avalor)! Estão a ver o drama não estão?

Sucede que a Filha tinha feito estas pesquisas no computador do Pai e, aquando do ataque, estava a usar o da Mãe. Até tinha tudo guardadinho na dropbox. Mas, no computador da Mãe, a sincronização não estava definida para arrancar ao ligar, pelo que, quando a Filha o ligou… nada! Foi ou não foi uma boa oportunidade para explicar estas coisas meio mágicas da internet e do armazenamento de informação em nuvem? É que, acresce, ainda há pouco tempo a Filha tinha ficado muito admirada ao ver todo o histórico de pesquisas que tinha feito no computador aparecerem no telemóvel.

E como é que se explica esta coisa da computação em nuvem a uma criança, perguntam vocês? Nós explicamos assim, ou pelo menos tentamos! Estão a ver cada um dos círculos na imagem? Representam computadores. Um deles é da Google, outro da Dropbox, os restantes são os nossos, incluindo telemóvel e tablet. Estão todos ligados uns aos outros. Programas de empresas como a Dropbox, que instalamos nos nossos computadores, permitem-nos guardar todas as informações nos computadores super poderosos que essas empresas têm. De cada vez que ligamos o computador esses programas vão buscar a última informação que guardamos. Como, neste caso, o programa não estava ligado não tinha ainda atualizado. Foi giro atualizar a Dropbox e notar uma certa admiração nos olhos da Filha, ao ver tudo o que ela tinha guardado aparecer, assim, de repente!

*Como ultimamente, este post foi revisto e a sua publicação autorizada pela Filha.

** E como sempre (ou quase), acabo o post com um pedido: contem-nos as vossas histórias! Já aconteceu os vossos filh@s acharem que há uma espécie de magia no computador ou no telemóvel?

Abraço
A Mãe

 

Uma des/aventura no Google Imagens (ou lições de segurança online!)

Ontem A Filha andou a explorar o Google Imagens. Às tantas chamou-me e perguntou se podia enviar o comentário que tinha escrito. E em que consistia o comentário? Em imaginação, muuuuuuita imaginação! E talvez algum espírito natalício à mistura. Do bom e do mau! Descobriu ela que, mesmo por baixo dos resultados de imagens, existe um link para enviar comentários. Eu nunca tinha reparado em tal!

E que se lembrou ela de pedir, imaginando, julgo eu, que aquilo ia ter ao Pai Natal ou algo parecido? Argumentando ser uma criança bem comportada e prometendo cuidar bem da gatinha (que até já tinha nome e cognome – Manchinhas, a gata super fofinha ), pedia para lhe ser enviada uma igual, mas viva! O comentário terminava com um ultimato (“não se atrasem, o máximo de dias é 5” :D), seguido da nossa morada!!!

Acho que os meus olhos não conseguem ficar mais do que naquele momento!!! Saiu-me uma pergunta: o que achas que está mal? Ela percebeu: a nossa morada! Suspiro de alívio d’A Mãe! Carinha derrete corações, do tipo ‘eu sabia, isto é estúpido, mas posso sonhar não posso?’ , d’A Filha <3. Fala a Mãe: vês como tu sabes (cara de indisfarçável orgulho)!

Agora as lições!

1. Sabem aquele conselho de segurança que nos dão quando os bebés começam a gatinhar? Para gatinharmos também e vermos a casa na perspetiva do bebé? Eu nunca tinha reparado naquele link para fazer comentários na pesquisa de imagens do Google! Em quantas funcionalidades online reparam as nossas crianças que a nós nos passam completamente ao lado?!

2. Depois das partes do amor de mãe :), ocorreu-me explicar que as imagens que estão online são feitas por alguém e que essa pessoa pode gostar que lhe enviem opiniões, críticas ou sugestões, daí a caixa de comentários (não sei se é exatamente isto que acontece no Google Imagens, mas pareceu-me genericamente uma boa lição :P)

3. Ocorreu-me também dizer que há sites onde podemos colocar a nossa morada (afinal, ela vê-nos fazer compras online para serem entregues em casa!) mas que, antes de o fazer, é importante perguntar à Mãe ou ao Pai se o site é seguro.

E vocês, já tiveram aventuras ou desventuras no Google Imagens? Contem-nos tudo, para aprendermos juntos!

Abraços natalícios!

A Mãe

PS: Este texto foi revisto e publicado com autorização d’A Filha.

Começaram as pesquisas na internet !!! e um telemóvel só para A Filha

Olá pessoal

Esta semana A Filha recebeu de presente (ou empréstimo, ainda não temos certezas*) um smartphone. Não tem cartão e, claro, não dá para fazer chamadas. Mas dá para ligar à rede wi-fi de casa e eu, Mãe numa família ‘digital’, com duas crianças a lutar pelo meu telemóvel, me confesso. O meu primeiro pensamento foi: excelente, agora A Filha joga no dela e O Filho joga no meu, o que me vai poupar umas quantas chatices!

(A Filha está a ler enquanto escrevo e não me está a deixar contar alguns pormenores da história. Quando pergunto porquê, ela diz: toda a gente, todo o mundo, vai ver! A Mãe, claro está, ficou muito orgulhosa de ver que A Filha tem alguma noção de que o que se mostra na internet fica público e só partilhou este texto depois de lhe explicar porque quer escrever estas coisas – a vontade de ajudar outras famílias a usar bem as novas tecnologias através do nosso exemplo – e de ter perguntado se ela autorizava.)

Voltando à história…

Num par de dias, A Filha (agora com 8 anos) criou um email (uma conta Gmail, cujo endereço não divulga o seu nome verdadeiro e que A Mãe ligou à sua conta Google, através da app Family Link, para fazer espionagem, mas só da boa :), instalou o YouTube (“mas foi o Kids Mãe”) e já ouviu as razões porque ainda é cedo para usar o Facebook (é só para maiores de 13, é preciso ter muito cuidado com o que dizemos de nós próprios no Facebook, é preciso que aprendas ainda mais algumas coisas sobre segurança e civismo na internet para poderes utilizar bem o Facebook).

E, coincidência, hoje A Filha trouxe da escola o seu primeiro TPC** de pesquisa. E fê-lo usando o seu smartphone. Ora, isto serviu para mais umas quantas lições, sobre pesquisar informação online, lições essas enviadas pel’ A Mãe por email 🙂

E pronto, hoje ficamos por aqui. Esperamos que o nosso exemplo vos ajude nas vossas navegações 🙂 E que nos contem tudo, para aprendermos juntos!

Abraços
A Mãe e A Filha

PS: A Filha adorou a troca de emails e mensagens… e os corações 🙂 E aprovou o texto todo 🙂

 

* Na verdade quem recebeu o smartphone de presente foi A Avó, mas não se entendeu com ele e ‘deu-o’ à neta, com a ressalva de que o poderia querer de volta. Isto leva-me a outra faceta interessante desta história: A Avó continua a não pôr de parte a ideia de usar o smartphone e, este fim de semana, o Avô disse que também queria um. O apelo da tecnologia contagia gerações! 🙂

** Vocês já ouviram dizer que TPC significa ‘Tortura para Crianças’ 😀 Foi A Filha que me contou esta!

YouTube e controlos parentais: os que funcionam e os que nem por isso

Pelo vistos os algoritmos do YouTube Kids andaram a deixar passar uns vídeos assustadores que, vá-se lá entender a (des)humanidade, algumas almas (certamente penadas) criaram com personagens como os cães da Patrulha Pata ou crianças mesmo. Já se sabe que o mote disto é o dinheiro. Qualquer click rende, venha ele de onde vier. Também online o dinheiro é cego, vale mesmo tudo! E bem se sabe que a pequenada adora o YouTube. Pudera! Se até para mentes pouco curiosas aquilo pode ser aliciante, que fará para pequenos grandes cérebros em potência, à descoberta do mundo! Assim, sites como o YouTube Kids e outros controlos parentais são, à partida, amigalhaços dos pais. Quem nunca viu no YouTube a esperança de uma refeição sossegada ou de um descansozinho bem merecido que atire a primeira pedra! Mas não dá para descansar muito, como bem mostram estes casos, que até aconteceram na suposta segurança do YouTube Kids. O melhor controlo parental ainda é mesmo a nossa atenção (havemos de voltar a falar de como outras engenhocas nos podem dar um falso sentido de segurança) e o nosso interesse pelo que entusiasma os nossos filhos. Não há máquina que substitua a nossa sensibilidade. E será? Será que a inteligência artificial algum dia será assim tão inteligente?

E vocês, navegam as maravilhas do YouTube? As vossas crianças já viram algo que as incomodou? E já experimentaram controlos parentais? Que tal?

Abraços
A Mãe

Na arrumação da casa como das tecnologias

A Magda – conhecem? se não conhecem, deviam 🙂 – falou estes dias da importância de uma casa arrumada e limpa. Conta ela que um estudo mostrou como o caos e a desarrumação põem o nosso cérebro à tôa. Mesmo que o tentemos convencer a estar quieto, ele há-de desviar a nossa atenção, à procura de perceber o que raio se passa ali. E para que é chamada para aqui esta história? Bem, apesar das maravilhas da tecnologia, ela também trouxe para a nossa vida bastante confusão. Ele é o trabalho que vem para casa connosco, é o telemóvel a tocar desalmadamente, por tudo e por nada (é que bem podíamos esperar para dar aquele recado mais logo, mas não!), é aquele post no Facebook que queremos saber se alguém comentou, aquelas promoções que queremos apanhar, a cena no OLX que mal podemos esperar por vender. E nem é só a tecnologia digital propriamente dita! Quantos de nós não confudem o carro com um teletransportador? É que nem por sombras vamos chegar só em dois minutos, mas acabamos muitas vezes por acreditar que sim. E querermos registar todo e qualquer momento, em fotografias e vídeos? Pronto, fica a nossa vida metida numa embrulhada tal que, mesmo que não queiramos, o nosso cérebro nem sabe para que lado se virar. E nem pensem que o multitasking nos safa. Perde-se eficiência e capacidade para avaliar riscos. Então, bora arrumar também esta parte da casa? Por cá já começamos. Entre a hora de jantar e a de deitar, não se atende telemóveis nem se vê televisão. Pronto, às vezes falhamos, mas é quase sempre por culpa do Pai :D:D:D.

E vocês, também se sentem super-poderosos, de smartphone na mão?

Abraços
A Mãe